Cantor é preso suspeito de matar

Cantor é preso suspeito de matar analista do MP a pedido de namorado

12/12/2016 17h19 – Atualizado em 12/12/2016 22h32

Cantor é preso suspeito de matar analista do MP a pedido de namorado

Crime ocorreu no dia 22 de junho, em Salvador, segundo Polícia Civil.
Dupla torturou vítima para conseguir senhas de cartões de crédito e débito.

Do G1 BA
Cantor foi presos suspeito de envolvimento na morte de analista do MPF-BA (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Cantor foi preso suspeito de envolvimento na morte
de analista do MPF-BA
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Crime ocorreu no dia 22 de junho, em Salvador, segundo Polícia Civil.
Dupla torturou vítima para conseguir senhas de cartões de crédito e débito.

O cantor da banda Vamo Nessa, Israel Melo de Souza, 20 anos, foi preso suspeito de matar asfixiado um analista técnico do Ministério Público Federal na Bahia (MPF-BA) a pedido do namorado da vítima. O crime teria sido motivado por dinheiro, porque os suspeitos queriam conseguir as senhas dos cartões de crédito e débito do analista. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (12), pela Polícia Civil, durante apresentação à imprensa do suspeito.

Israel foi preso na cidade de Nazaré das Farinhas, no Recôncavo Baiano, na quarta-feira (7). O crime ocorreu o dia 22 de junho, em Salvador, mas somente agora o caso foi elucidado, segundo a polícia. A vítima foi o analista Wallace Sousa Duarte, que tinha 40 anos. O corpo foi encontrado incendiado, um dia depois, em um terreno baldio na Rua Paquistão, na região da BR-324.

Conforme a investigação, o companheiro de Wallace, Gabriel de Araújo Rodrigues, de 20 anos, que é operador de telemarketing, teria armardo o crime por dinheiro. O uso do cartão de crédito da vítima pelos dois suspeitos, conforme a polícia, confirmou a linha de investigação e ajudou a polícia a esclarecer o crime.

Gabriel, que namorava a vítima, teria armado o crime, segundo a polícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Gabriel, que namorava a vítima, teria armado o
crime, segundo a polícia (Foto: Divulgação/Polícia
Civil)

A delegada Cleuba Regina Teles, diretora adjunta do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse que Gabriel e Israel, que são colegas, confessaram envolvimento no crime. Nenhum dos dois suspeitos tem passagem pela polícia.

Conforme a delegada, Gabriel chegou a ser preso no bairro de Pirajá, na capital baiana, também na semana passada, mas o prazo da prisão temporária dele, que era de cinco dias, acabou no domingo (11) e o suspeito foi liberado. O DHPP, no entanto, informou que vai solicitar à Justiça a prisão preventida do namorado da vítima e também de Israel, cuja prisão temporária é de 30 dias por ser apontado como executor do crime.

Investigação
Conforme a investigação, Wallace e Gabriel mantinham um relacionamento íntimo há dois anos. No dia do crime, o analista técnico do MPF saiu de casa, no bairro da Vila Laura, em Salvador, após receber uma ligação, mas não retornou.

Segundo a polícia, o analista foi chamado pelo namorado para um passeio que, no caminho, incentivou a vítima a dar carona para Israel, que, segundo a polícia, também é ex-integrante da banda de pagode baiana New Hit, envolvida em um escândalo por conta do estupro de duas fãs do grupo após um show na cidade de Rui Barbosa, na Bahia. Gabriel, segundo a polícia, no entanto, não está entre os suspeitos do crime contra as garotas. Após o escândalo, de acordo com a polícia, os integrantes do grupo que não estiveram envolvidos  no estupro formaram a banda Vamo Nessa.

Conforme as investigações da polícia, o analista do MPF foi torturado para dar as senhas dos cartões aos suspeitos, e morto em seguida. “Após socos e chutes, eles chegaram a asfixiar Wallace, que morreu”, explicou a delegada, em nota enviada à imprensa.

“Para tentar esconder o crime, a dupla queimou o corpo do analista e empreendeu fuga. Policiais militares avistaram o fogo e apagaram parte das chamas”, detalhou a delegada.

Segundo a polícia, a família chegou a registrar o desaparecimento na delegacia uma semana depois, no dia 29 de junho. O corpo da vítima, no entanto, já estava no Departamento de Polícia Técnica (DPT) desde o dia 23 de junho, quando deu entrada como indigente.

Conforme a delegada Cleuba Regina, Wallace foi torturado e levou murros e pontapés antes de ser asfixiado. O carro da vítima foi abandonado na região do Parque São Bartolomeu, em Pirajá. O veículo só foi encontrado no dia 21 de julho.

Ainda segundo a Polícia Civil, somente um dia após o carro da vítima ter sido encontrado o corpo foi identificado no DPT através de exame de digitais. Os dois suspeitos de envolvimento no crime deverão responder por latrocínio, que é roubo seguido de morte.

 

 

MarcosRodeio

Diretor Administrativo e Locutor e Jornalista Inicio sua Carreira em 1990 como Sonoplasta e DJ nos decorrer dos anos se torna locutor e Jornalista, definição um apaixonado por Rádio

Deixe uma resposta