Febre amarela

Curta e Siga Paulista FM
1

subsecretário explica que idosos podem se vacinar com orientação médica
Segundo Alexandre Chieppe, a orientação é devido ao aumento da circulação do vírus

RIO – Toda a população acima dos nove meses de idade deve se vacinar. A recomendação vale também para idosos, gestantes e mulheres que ainda estão amamentando, considerando o risco a que estão submetidos, alertam especialistas. A orientação da Secretaria estadual de Saúde ocorre devido à intensa circulação circulação do vírus da febre amarela no território fluminense, segundo o subsecretáreio de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

Ele participou de uma transmissão realizada pela página do GLOBO no Facebook sobre a doença. Também participaram do bate-papo o presidente do Instituto Vital Brazil, o infectologista Edimilson Migowski, e o pesquisador da Fiocruz, Ricardo Lourenço.

— Pessoas com mais de 60 anos, gestantes, mulheres que estão amamentando devem se vacinar considerando o risco a que estão submetidas. Hoje no Rio, como há uma intensacirculação do vírus no estado com exceção da região metropolitana, deve se considerar a vacinação. Se não houver contraindicação (médica), a recomendação é que se vacine toda a população de mais de nove meses de idade, incluindo gestantes, mulheres amamentando e pessoas com HIV cujo sistema imunológico não esteja comprometido – afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.


Chieppe reforça que a vacina possui contraindicações absolutas, como para os menores de nove meses, pessoas com alergia grave a componentes, como ovo, e pacientes com imunossupressão.

Já o infectologista Edimilson Migowski, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), destacou o contexto da doença, com evidência da circulação da doença. A letalidade da Febre Amarela, segundo ele, pode chegar a até 50%:

— Importante destacar que a vacina aplicada em idosos possui efeitos mais adversos. Vou submeter a pessoa e esses efeitos quando o risco de contato é mínimo? Não. Esse ano dada a evidência eu vou desconsiderar esse risco aumentado de efeito asverso e fazer a vacina porque o risco de adoecer é muito maior. A letalidade da febre amarela é de 30% a 50%.

Os idosos receberão a dose inteira até o início da campanha de vacinação, prevista para o dia 19 de fevereiro em 15 municípios. Após o início, entretanto, o grupo também deverá receber a vacina fracionada, cuja dose é divida em cinco. Segundo estudos, essa vacina é eficaz por oito anos.

Saiba como o vírus é transmitido, entenda quem deve tomar a vacina e veja quais outros cuidados são necessários para prevenir a doença infecciosa

Divulgação/Fiocruz
Mosquito do gênero Haemagogus é um dos principais transmissores de febre amarela silvestre no Brasil
Nos últimos dois anos o Brasil enfrentou um grande surto de febre amarela, considerado um dos eventos mais expressivos da história da doença, que abrangeu principalmente os estados da região Sudeste, como Minas Gerais e Espirito Santos. No período entre junho de 2016 a junho de 2017 foram confirmados 779 casos humanos e 262 óbitos. Todos os casos se referem à forma silvestre da doença.

Quais são os grupos que não devem tomar a vacina da febre amarela – e como podem se proteger
Doadores de sangue, gestantes e idosos estão entre os grupos com contraindicação para a vacina por causa de riscos de reações adversas graves.

Vacinação contra a febre amarela em Arujá (Foto: Nadja Cortes/ Prefeitura de Arujá)
O Brasil vive o maior surto de febre amarela silvestre das últimas décadas, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, o governo federal iniciou uma campanha emergencial de vacinação com o objetivo de imunizar cerca de 20,6 milhões de pessoas nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, novas áreas de concentração da doença, entre janeiro e março.

A preocupação decorre dos números. No primeiro semestre do ano passado, foram confirmados 777 casos em 21 Estados e no Distrito Federal. No segundo, foram 35 em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Distrito Federal – 145 ainda estão em investigação.

No entanto, diferentes grupos – como gestantes, idosos, pessoas em quimioterapia e em determinados tratamentos de saúde – não podem receber a vacina por causa dos riscos de reações graves.

Para esses indivíduos, a orientação é evitar picadas de mosquitos por meio do uso de camisas de mangas longas e calças compridas, mosquiteiros e repelentes – grávidas e mães de recém-nascidos, contudo, devem buscar orientação sobre possíveis reações alérgicas a essas substâncias. Se possível, é recomendado ainda buscar telas antimosquitos para os cômodos da casa.

A febre amarela causa sintomas como dor de cabeça, febre baixa, fraqueza e vômitos, dores musculares e nas articulações. Em sua fase mais grave, pode causar inflamação no fígado e nos rins, sangramentos na pele e levar à morte.

Transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, a forma silvestre da doença é a variedade que ainda provoca surtos no Brasil. O país não registra casos de febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti, desde 1942.

A BBC Brasil conversou com diferentes especialistas sobre quem pode e quem não deve se vacinar – e por quê. Confira.

Por que há contraindicação para algumas pessoas?
A vacina contra a febre amarela é considerada altamente segura. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), dos EUA, eventos adversos sérios, que põem em risco a vida do paciente, ocorrem em 1 a cada 250 mil pessoas vacinadas.

Mas em determinados grupos de pacientes, como aqueles que estão com o sistema imunológico debilitado ou que têm alergias a elementos do ovo, a imunização pode causar problemas graves.

Esses efeitos ocorrem porque o imunizante contra a febre amarela possui o vírus vivo atenuado, que desaparece do organismo três semanas após a vacinação, em média.

Em um paciente com um sistema imunológico sadio, a vacina irá provocar as células de defesa para que criem anticorpos contra a doença. Isso significa que esse paciente, ao ser eventualmente picado no futuro por um mosquito infectado, terá os anticorpos necessários para combater o vírus.

“Quando a pessoa é vacinada, o vírus inoculado passa a se multiplicar no organismo do paciente. O sistema imunológico então identifica a atividade do vírus e começa a produzir células de defesa para combatê-lo”, explica André Siqueira, pesquisador do Laboratório de Pesquisa Clínica em Doenças Febris Agudas do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fiocruz.

No entanto, se o sistema imunológico do paciente estiver enfraquecido por doenças sérias, como o câncer, a vacina pode criar um quadro semelhante ao da febre amarela em si. Por isso é importante realizar uma triagem antes de tomar a vacina, para garantir que não há contraindicações.

Doadores de sangue
Pessoas que pretendem doar sangue devem esperar 30 dias após a vacinação para o procedimento.

O objetivo é evitar que o vírus vivo inoculado, circulante na corrente sanguínea do doador durante as três primeiras semanas após a vacinação, não acabe em um paciente que esteja com o sistema imunológico debilitado e cause reações adversas.

“É uma ação de prevenção que faz parte dos protocolos internacionais”, afirma Regiane Cardoso de Paula, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

Ela pede que o doadores procurem os hemocentros do município no qual residam antes do início da campanha de vacinação fracionada no Estado de São Paulo, que começará no dia 29 de janeiro.

É importante lembrar que o risco está para o paciente debilitado que receberá o sangue – e não para o doador.

“Pedimos que as pessoas doem sangue antes do Carnaval, período em que precisamos de doações. Os estoques dos hemocentros já estão baixos, porque janeiro é um período de férias em que as pessoas geralmente estão em viagem”, afirma a diretora.

Gestantes e mulheres que amamentam
Grávidas e mulheres que estejam amamentando um bebê com menos de seis meses devem buscar orientação médica antes de tomar a vacina. A cautela é para evitar a possibilidade de reações alérgicas graves.

A orientação geral é que essas mulheres só sejam imunizadas se estiverem em área de risco de transmissão da doença.

“O médico vai fazer uma conta de risco e benefício”, diz Cardoso de Paula. “Se a grávida tiver mais de três meses de gestação e estiver próxima do foco da doença, a recomendação é que tome a vacina. Se puder se deslocar para um outro local em que a doença não seja endêmica, podemos avaliar se a vacina é dispensável.”

Bebês com menos de 9 meses
O Ministério da Saúde recomenda a vacinação apenas para os bebês acima de nove meses de idade. Para aqueles em áreas de alto risco da doença, a recomendação é a partir dos seis meses.

De acordo com Expedito Luna, médico epidemiologista e professor do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo, a razão está na maior probabilidade de efeitos colaterais para crianças nessa faixa etária.

“Nesse grupo, há mais eventos adversos neurológicos e menor imunogenicidade da vacina, o que significa que ela protege menos. Você aplica em cem crianças e vai haver menos proteção e mais efeitos colaterais”, explica.

Idosos acima de 60 anos
Atualmente, a vacina está recomendada para aqueles entre nove meses e 59 anos de idade.

Idosos acima dessa faixa etária precisam passar pelo médico para avaliar o estado do sistema imunológico e se o risco de serem contaminados pela doença é alto ou não.

De acordo com Luna, desde 2000 foi identificado no Brasil e em outros lugares do mundo que uma pequena proporção daqueles que tomavam a vacina podiam desenvolver um quadro grave, semelhante ao da própria febre amarela.

“No estudo desses raros casos de eventos adversos, identificou-se que era comum entre aqueles acima de 60 anos, com doenças do timo e doenças autoimunes. Isso levou a uma restrição maior no uso da vacina nesses casos.”

Pessoas com doenças autoimunes
Pacientes em radioterapia, quimioterapia ou fazendo uso de corticoide, portadores de doenças autoimunes, como lúpus, doença de Addison e artrite reumatoide, são contraindicados a receber a vacina.

Como estão com o sistema imunológico suprimido pelas condições citadas acima, a vacina contra a febre amarela – assim como de outras em que há o vírus vivo atenuado, como caxumba, varicela, catapora – pode trazer efeitos colaterais graves.

“Em condições normais, o vírus inoculado da vacina não causará nenhum problema – ao contrário, ele irá estimular a criação de anticorpos contra a doença. Mas se houver problemas com a imunidade, pode ocorrer desse vírus atenuado se multiplicar e causar reações adversas”, explica Siqueira, da Fiocruz.

Diabéticos
Diabéticos com os níveis de glicemia controlados não têm contraindicação para a vacina.

No entanto, aqueles com altos níveis de açúcar no sangue precisam se consultar com um médico antes de se vacinar.

“A vacina pode afetar o sistema imunológico, debilitado pelos altos níveis de glicemia”, afirma Siqueira.

Entre os dias 29 de janeiro e 9 de março, os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia irão realizar uma campanha de vacinação fracionada (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campos)
Quem pode tomar
Todas as pessoas não pertencentes aos grupos citados acima e que vivem em área de risco para a doença, conforme determinado pela Secretaria de Saúde de seu Estado, devem procurar postos de saúde para tomar a vacina.

Pessoas que viajarão para essas regiões também precisam se imunizar – nesse caso, dose deve ser aplicada no mínimo dez dias antes da chegada.

Nos postos, é necessário passar por uma triagem antes da imunização para definir se há ou não contraindicação.

Entre os dias 29 de janeiro e 9 de março, os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia irão realizar uma campanha de vacinação fracionada – o que significa que a dose de febre amarela, de 5 mg, será dividida em cinco partes para ser aplicada em mais pacientes.

De acordo com o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz), a dose fracionada protege contra a doença por até oito anos.

Confira as datas de vacinação dos estados:
– São Paulo: 29 de janeiro a 17 de fevereiro

– Rio de Janeiro: 19 de fevereiro a 9 de março

– Bahia: 19 de fevereiro a 9 de março

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira as cidades nos três estados com risco de infecção pela doença e que têm recomendação de vacina. A lista completa está no site do órgão.

Share This:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *